quarta-feira, 4 de julho de 2007

Breve observação sobre entrega.

Partindo do pressuposto básico do BDSM, não é o pulso firme de um Dom que faz a pessoa mudar, nunca um Dom foi capaz de mudar alguém que não quisesse mudar.
Por que existe a entrega? Porque existe a força interior pra mudar. Servir é apenas a desculpa, o recurso utilizado.
Só descobrimos o que de fato gostamos através da pratica, sem dúvida, até então tudo é teoria, expectativa, mas você acha que vai fazer porque um Dom é forte ou sabe-se lá o que?
Não, você vai levar tapa na cara e amar porque é sua natureza, não porque ele é excepcionalmente hábil na condução, a habilidade que se exige Dele é saber a intensidade, perceber que você gosta.
Um Dom é o cara que penetra sua alma e descobre tudo aquilo que você pode, ele não cria nada, ele só remove as barreiras.
Você acha que vai servi-lo e fazer tudo ou parte contra sua vontade? Não. Tudo que você fizer já faz parte de você, já está dentro de você. Algumas vezes escondido, outras bem protegidas, muitas vezes você nem desconfiava que fazia parte de você.
O Dom não te faz gostar de algo, ele descobre que o você gosta, mesmo que você nunca tenha suspeitado, ou seja, na relação BDSM, o segredo está todo guardado na sub, cabe ao Dom vasculhar, descobrir e expor.
Infeliz daqueles que para se realizarem como pessoa depende da vontade alheia, precisa se anular e se tornar outro para se sentirem vivos.
Consequentemente, seja no BDSM, seja na vida, toda nossa felicidade está dentro de nós, cabe a nós, guiados ou não por alguém, libertar-nos do medo, das amarras, retirar os obstáculos, as barreiras, mas do que aceitarmos a necessidade de mudar, empregarmos nossa energia nessa mudança.
Na realidade, sempre nos entregamos a nós mesmos.
Se entregar, portanto, é um ato de vontade própria, onde você finalmente aceita o fato que precisa e pode mudar, diferindo no modo podendo variar desde a busca solitária até a aceitação que outro te guie pelo doloroso caminho da mudança e crescimento pessoal.
Entrega deve ser um movimento pessoal, que parte de dentro de nós, que visa única e exclusivamente nosso bem estar e auto satisfação. Se fazemos sozinho, se fazemos apoiados em amigos, num guia, num orientador, num Mestre, num Dom, pouco importa, o que importa é que façamos o que deve ser feito sem receios.
Nos acovardar diante da vida é assinar um documento onde abdicamos da felicidade, fazer escolhas que não condizem conosco é fazer meia entrega, fingir que nos entregamos quando na realidade deixamos os outros decidirem é de um vazio atormentante.
Não existe felicidade possível quando deixamos de assumir o leme de nossas vidas, a entrega perfeita é aquela na qual buscamos nossa superação, crescimento, amadurecimento e felicidade.

7 comentários:

Anônimo disse...

És encantador Senhor...
Consegue envolver com tuas palavras...
Parabéns pelo teu entendimento, seriedade...

Psique disse...

Acho linda a palavra "entrega"...
Por isso que continuo pensando que entrega só acontece quando existe amor, confiança, cumplicidade...
Ainda terei a chance de experimentar todo o sentido da palavra "entrega", seja de que maneira for. E realmente a entrega só acontece de dentro pra fora, ninguém pode levar o outro a se entregar se este não quiser, não se sentir a vontade..."Entrega" é um decisão séria e que vem lá do fundo da nossa alma.Algo a ser pensado, pesado, discutido porque considero um caminho sem volta.

Papos e reflexões disse...

Sim minha querida Psique, mas também devemos lembrar que não devemos nos negar certos direitos, a entrega é ato de grande responsabilidade, que merece exaustivas discussões, reflexões, mas o que dizer quando fugimos da "entrega" por medo, frustrações e inseguranças?
Se por um lado exige responsabilidade, deixar de encara-la como algo sério é irresponsabilidade.
Será acertado trancar numa caixa e esconder?

Obs.: Adoro te provocar...

Tati disse...

Mestre,

Vc consegue definir o que é "entrega" com palavras tão certas... eu mesma sou um exemplo de quem não tinha a menor idéia do que guardava dentro de si. Mas vc, com toda sua experiência e sensibilidade, está conseguindo me fazer enxergar e a me entregar aos poucos.

Com certeza essa entrega só ocorre quando nos deixamos levar, quando confiamos naquele que nos ajuda e sabemos que podemos melhorar muito ainda. No entanto, não podemos nos esquecer de que muitas vezes, é extremamente difícil enxergar nossos defeitos, aceitar nossas maneiras erradas de interpretar as coisas. Mas vamos em frente, afinal ninguém é perfeito e mesmo se fosse, seria muito sem graça ;)

Beijinhos!

Antonio disse...

Sr. papos e reflexões, boa noite.

Concordo com a Tati quando diz que é difícil enxergarmos nossos defeitos. No entanto, uma coisa é certa: quando isso ocorre, temos que nos orgulhar.

Não tenho medo de me entregar ao novo. Farei de tudo para aprender o que necessito para ter a minha menina. E quando a tiver, largarei tudo por ela.

Um abraço.

Mel disse...

Já ouvi em algm lugar q crescer e, conseqüentemente mudar, pode ser doloroso, mas romper amarras, trocar a pele, no final, trás mais prazer q dor. E vale a pena!


Muito bom ver boas idéias em tão boa prosa.

Luna ♥ disse...

Tem um trecho de um autor q gosto muito q diz..."Não se pode colocar um desejo no coração de ninguém. O que se pode é abrir as portas para os desejos que já existem, trancados, silenciados..."
No caso da entrega, ela é fascinante nesse sentido, o desejo da submissa está nela ( ser feliz, por ex) e o Dom com habilidade e seriedade a conduz a desvendá-lo e a se apropriar. Mas, não é fácil... mudança é um processo doloroso , q requer a disposição e confiança da sub em seu Dom, e ainda, muita dedicação e paciência Dele.Tal entrega cria entre sub e Dom vínculos marcantes.E isso é muito bonito. É viver.